Luta por benefícios não é de agora!

A luta contra os impecílios não vem de agora. Já em 2010 na busca por melhorias salatiais enfrantamos ações excusas, clique e relembre.

Reunião com o "representante" para reivindicações - 2011

Em reunião com o "reprensentante" da categoria cobramos posiocionamento em relaçõa à algumas demandas pontuais em relaçõa à PMDF.

Primeira carreata da cobrança - maio de 2011

O RECADO FOI DADO, CARREATA DA COBRANÇA.

MAIS DE 10 MIL PMs E BOMBEIROS SE REÚNEM NA PRAÇA DO RELÓGIO

PARABÉNS AOS COLEGAS PELA DEMONSTRAÇÃO DE UNIÃO, PARTICIPAÇÃO E DISCIPLINA.

Várias reuniões em busca de melhorias para as categorias- 2012

Resultado da reunião com a bancada dos deputados federais e senadores do DF com o Movimento Unificado da PM e BM, ocorrida na Câmara dos Deputados.

Convocação para mobilização 2010

Sempre buscamos esclarecer e mostrar os melhores meios possíveis para o êxito das reividicações.

Maior assembleia PM e BM DF

PMs e Bombeiros Militares de Brasília realizam o maior movimento reivindicatório já registrado no DISTRITO FEDERAL.

24 de ago de 2015

JULGAMENTO DO ST RICARDO PATO FOI ADIADO, UM PRAÇA PRESIDENTE DA CABE, SIM NÓS PODEMOS

Viatura da PM tomba e deixa dois policiais com escoriações no DF

Acidente foi em Ceilândia Norte, na tarde deste domingo (23). 
Eles foram levados ao hospital conscientes e sem risco de morte.

Uma viatura da Polícia Militar tombou na tarde deste domingo (23) em Ceilândia Norte, no Distrito Federal. De acordo com o Corpo de Bombeiros, dois policiais que estavam no veículos ficaram com escoriações.
Segundo a corporação, o acidente foi próximo ao viaduto do Metrô da região. Os policiais foram socorridos e levados ao hospital conscientes e sem risco de morte.

A PM informou que a viatura capotou por volta das 15h. Os policiais iam fazer uma abordagem, quando a roda dianteira do carro tocou no meio fio, fazendo a viatura tombar

24/08/2015 07h12 - Atualizado em 24/08/2015 13h19


UM PRAÇA 

NA

SIM NÓS PODEMOS

JULGAMENTO DO ST RICARDO PATO FICOU PARA OUTRA DATA A SER CONFIRMADA

PMs acusados de homicídios durante desocupação na Estrutural vão a júri

Dois moradores desapareceram em 1998 durante ação de derrubada na área.
Julgamento começa nesta segunda e deve se estenda até sexta-feira.


OTribunal do Júri de Brasília começa a julgar nesta segunda-feira (24) 10 policiais militares suspeitos de envolvimento em três homicídios, uma tentativa de homicídio e lesão corporal grave durante a Operação Tornado, para desocupação da Estrutural, em 1998. A previsão é que o julgamento se estenda até sexta-feira (28). Todos os suspeitos estão aposentados.


Inicialmente, o tribunal informou que 11 PMs seriam julgados. A informação foi corrigida às 13h16. No início do processo eram 12 policiais, mas um faleceu e o outro foi impronunciado por ter sido absolvido anteriormente. 
Em 1998, a situação piorou depois que o policial militar Rubens Gomes de Faria foi morto por um tiro. As ações da polícia que eram oficiais, ganharam reforço de outras operações à paisana. Em uma dessas ações, Roberto José e o filho desapareceram. Uma imagem deles acompanhados de policiais chegou a ser feita durante uma reportagem. O comando da Polícia Militar reconheceu a irregularidade da ação a paisana na época.O conflito entre a Polícia Militar e moradores da Estrutural começou em 1996 com o processo de desocupação da área invadida. Na época, moradores resistiram às ordens do governo de desocupar a região. Foram três anos de conflitos e uma série de problemas. Vários barracos foram derrubados.
Entre as testemunhas, estará Roberto José dos Reis Filho, conhecido como Azul. Durante a operação, ele foi baleado e deixado em um matagal em Sobradinho. O morador passou a ser protegido pelo Ministério Público.
OUTRO A MENOS

Posto desativado da PM em Santa Maria, no DF, é incendiado

É o quarto caso na região administrativa neste ano; ninguém ficou ferido.
No ano passado, foram pelos menos 14 postos da Polícia Militar atacados.


Posto da PM incendiado em Santa Maria (Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Um posto da Polícia Militar em Santa Maria, no Distrito Federal, foi incendiado na madrugada deste domingo (23). Ninguém se feriu. É a quarta vez neste ano que um posto da PM é incendiado na região administrativa.

    Os outros três casos ocorreram todos em fevereiro – nos dias 26, 18 e 2. No primeiro caso, o posto na quadra 100 da região foi incedidado e teve o fogo apagado por moradores, antes da chega dos bombeiros. Osegundo ataque foi na unidade do condomínio Porto Rico. O posto incendiado no dia 26ficava próximo ao hospital regional.
     No ano passado, houve pelo menos 14 unidades incendiadas no Distrito Federal. O primeiro ataque foi em Planaltina, em fevereiro. Em março, houve três incêndios criminosos: no Itapoã, Paranoá e Santa Maria. Guará e Sobradinho II tiveram postos queimados em abril. Em maio, o alvo foi o da Estrutural. Outubro registrou três casos: dois na mesma unidade do Gama e um em São Sebastião.
    Os postos de segurança foram instalados em 2008 para aproximar a PM dos moradores, mas muitos deles foram desativados nos últimos dois anos.


    16 de ago de 2015

    UM PRAÇA 

    NA

    SIM NÓS PODEMOS

    VIGÉSIMA SEGUNDA REVISTA ELETRÔNICA

    Em Brasília, um grupo gastou R$ 12 mil para ter um boneco inflável que faz alusão ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


    No protesto realizado em Brasília neste domingo (16) contra o governo, chamou a atenção um boneco inflável de 12 metros retratando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em traje de presidiário. Segundo o servidor público aposentado Ricardo Honorato, o boneco foi criado por um grupo fundado no final do ano passado em Maceió e chamado Movimento Brasil.
    De acordo com Honorato, que disse ser coordenador do Movimento Brasil no Distrito Federal, a decisão de fazer o boneco foi tomada há dois meses e a encomenda foi feita a uma empresa de São Paulo. Após negociação, o preço foi acertado em R$ 12 mil. Honorato diz que empresários alagoanos deram um adiantamento para que o boneco fosse fabricado e que os integrantes do movimento farão uma vaquinha para dividir a despesa.

    Movimentos anti-Dilma Rousseff foram às ruas neste domingo dia 16 pela terceira vez no ano para pedir a saída da presidenta. As manifestações de hoje, que ocorrem em mais de 200 cidades pelo Brasil, exigem a queda de Dilma 'de qualquer jeito': por impeachment, cassação ou renúncia. A expectativa de participação é bem menor do que a divulgada em 10 de abril, mas os organizadores esperam que a crise política econômica incentive os opositores ao PTa ir protestar. São Paulo, uma vez mais, liderou as manifestações de hoje, com presença maciça de pessoas na avenida Paulista.


    11 de ago de 2015

    Meus amigos e amigas, amanhã estarei passando por mais uma prova de fogo, a partir das 13h30min iniciará meu segundo julgamento por causa do movimento reivindicatório que ficou conhecido como operação tartaruga e que resultou no reajuste de 15,8% no primeiro movimento e 22% no segundo movimento que foi concedido na forma de auxílio moradia. Passados mais de um ano dos movimentos n, ão podemos esquecer das pessoas que colocaram a cara a tapa em detrimento de todos, o que ocasionou em prisões, processos e multas, por isso, conclamo a todos que ao receberem a próxima parcela de 7% que será pago no pagamento de setembro que sairá em outubro, não esqueçam que muitos foram penalizados para que você e sua família pudesse melhorar um pouco seu padrão de vida recuperando as perdas salariais que se acumularam durante o governo Agnelo, portanto, quem puder faça uma corrente de oração  e que nesta próxima quarta-feira dia 12 de agosto de 2015, possa comemorar mais esta vitória.
    JULGAMENTO DO ST RICARDO PATO ACONTECERÁ AMANHA NA AUDITORIA MILITAR A PARTIR DAS 13:30H.
    J

    A SAÚDE ESTÁ DOENTE
    10/08/2015 13h11 - Atualizado em 10/08/2015 13h12BA
    BALANÇO GERAL MOSTRA VÍDEO DA REIVINDICAÇÃO DAS MULHERES DOS POLICIAIS MILITARES

    Mulheres de PMs fazem ato no DF contra falta de atendimento médico

    Grupo pede volta de convênios suspensos em hospitais credenciados.
    Protesto começou por volta das 12h em frente ao centro médico da PM.

    Do G1 DF
    Mulheres de policiais militares em ato contra falta de atendimento médico no DF (Foto: Isabella Calzolari/G1)
    Um grupo de mulheres de policiais militares fizeram um protesto nesta segunda-feira (10) contra a falta de atendimento e de profissionais de saúde na policlínica da PM do Distrito Federal. Os manifestantes também pediam a volta de convênios suspensos em hospitais credenciados.
    O protesto começou por volta das 12h em frente ao centro médico da PM. De lá, o grupo seguiu em passeata para o Quartel do Comando Geral, no Setor Policial Sul. Cerca de 40 pessoas participaram do ato, de acordo com a PM e com a organização. À tarde, as mulheres pretendem ir ao Palácio do Buriti para tentar uma reunião com o governo.
    Mulher de um policial militar, a estudante Lindinalva Xavier disse ter organizado o movimento após ter ficado três meses tentando marcar consulta com endocrinologista. “Eu me revoltei e montei um grupo no WhatsApp. Já mobilizei 420 pessoas em junho”, disse. “Isso mostra que o sistema está falido, estamos precisando de mudança urgente.”
    Segundo ela, a administração da PM chamou o grupo para conversar, mas não deu previsão de quando o atendimento pode ser retomado. O G1 pediu posicionamento da PM e do GDF, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.
    PARABÉNS A ESTAS BRAVAS GUERREIRAS.










    On Line - 2ª, 3ª e 5ª às 21:00 h